Você nunca mais comerá balas de goma depois de saber como elas são feitas


Todos nós somos inocentes em algum ponto, principalmente quando o assunto em questão envolve comida ou guloseimas. Seja pela falta de informação ou até mesmo pela procura de evitar saber como algumas coisas são feitas, acabamos ingerindo produtos que parecem inofensivos, mas que por trás deles se escondem uma história horripilante.

Jujubas gostosas e marshmallows fofinhos escondem atrás de sua composição um ingrediente que deixará você de cabelos em pé: o colágeno.

como-as-balas-de-goma-sao-feitas

Os sites fitness sempre recomendam a ingestão de colágeno, porém ele tem origem animal, sendo obtido por um processo de fervura dos ossos e pele de porcos, vacas, cavalos e aves. Assim sendo, um importante fator a ser considerado é o mito do colágeno, que é produzido pelo próprio organismo a partir da sintetização através de aminoácidos ingeridos pelos alimentos, o que retira deles a hipótese da “ingestão de um colágeno já pronto”.

Por outro lado, nós não temos o poder de escolher para onde as proteínas formadas por esses aminoácidos irão parar, de forma que a produção de colágeno não “faz bem para a pele” como repassado pela mídia. O colágeno forma diversas estruturas, cuja possibilidade é maior em formar mais cartilagem no organismo. No fim das contas, ingerir um “colágeno” pronto de animal não fará efeito algum de grande porte à sua pele, já que as melhores fontes de aminoácidos estão nos cereais, como o milho, trigo, aveia, arroz, quinoa etc., e leguminosas como lentilha, feijões, soja, grão de bico, ervilha, entre outras.

como-as-balas-de-goma-sao-feitas-2

Isso significa que você ingere essas partes de animais que são disfarçadas de um bonito pozinho incolor. É claro que no mercado existem colágenos vegetais, como o Agar a título de exemplo que, todavia não ganha destaque na mídia por conta dos restos mortais deixados pela indústria produtora da carne, que ainda gera algum tipo de lucro para esta atividade.

Neste mesmo contexto, a cineasta belga Alina Kneepkens resolveu elaborar um vídeo que mostra o processo reverso de produção desses doces. No vídeo é mostrado o momento desde que as balinhas chegam à nossa boca até os instantes primordiais, que se dão no abate dos animais para extração de seus ossos e peles.  Confira abaixo:

Compartilhe com seus amigos



Deixe seu comentário!




x